Resenha: A menina que roubava livros


Autor: Markus Zusak
Páginas: 382
Editora: Intrínseca
Lançamento: 2006
Sinopse: A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança.

Minha Primeira Resenha

A história é contada por uma narradora inusitada, a morte. Ela nos conta a história de Liesel Meminge uma garotinha loira que foi vista três vezes pela morte. Liesel e seu irmão estão sendo levados pela mãe para uma cidade na Alemanha, a cidade de Molching. Entretanto, no meio da viagem o irmão de Liesel morre, e a morte faz sua primeira visita.
Era 1939, quando o irmão de Liesel é enterrado, sem muitas testemunhas, somente a mãe, a menina e os coveiros. Nesse mesmo dia Liesel encontra o primeiro de muitos livros á serem roubados, "O Manual do Coveiro".

Quando chega em Molching é levada para rua Himmel (céu). Lá se encontra com seus pais adotivos Rosa e Hans Hubermann. Sua mão adotiva Rosa, era uma mulher boa, apesar de ter um temperamento alto. Seu pai adotivo Hans, era um homem completamente adorável com quem Liesel sempre se sentia bem e confortável.

A história toda é passada em um grande intervalo de tempo. Nos primeiros meses, Hans descobri que Liesel tem um livro um pouco macabro, mas que não consegue le-lo. Com intuito de alfabetizar a garota, todas as noites Hans vai com Liesel até ao porão para ler. Liesel fica completamente fascinada pela leitura e se apaixona pelas palavras.

Ao longo da história Liesel começa a conhecer seus vizinhos. Um deles é um garotinho loiro que sonha em se tornar corredor, eles se tornaram melhores amigos.  Os dois vivem situações engraçadas e até roubam juntos, roubam maças, laranjas, mas para Liesel a melhor coisa a se roubar são livros.
Tudo muda com a chegada de Max Vandenburg na casa dos Hubermann. Max é um judeu fugitivo que é acolhido por Hans e Rosa graças á um antigo favor.

A morte não deixa de ressaltar que, como a história se passa na segunda guerra mundial, ela teve muito trabalho. O nosso narrados nos traz a história de Liesel de uma maneira trágica, porém linda. Quando acabei de ler o livro pude até acreditar que a morte é uma amiga proxima e não deve ser temida.

Livros que se passam na segunda guerra mundial sempre trazem uma história comovente, em A menina que roubava livros não é diferente. É um livro que merce ser lido e relido.

Quotes Prediletos:

“Com um sorriso desses você não precisa de olhos…”

“Decididamente, eu sei ser animada, sei ser amável. Agradável. Afável. E esses são apenas os As. Só não me peça para ser simpática. Simpatia não tem nada a ver comigo.”

“Quando a morte conta uma história, você tem que parar pra ouvi-la.”

“UMA DEFINIÇÃO NÃO ENCONTRADA NO DICIONÁRIO - Não ir embora: ato de confiança e amor, comumente decifrado pelas crianças.”

“Como a maioria dos sofrimentos, esse começou com uma aparente felicidade.”

 Nota:               

4 comentários :

  1. Estou com muita vontade de comprar este livro, mas tenho outros 20 na lista de leitura... :l

    De Cara Nas Letras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei como é isso, minha *Wishlist Literária* tá gigante também!

      Excluir
  2. Felizmente, consegui muitos livros pra ler nesse semestre. Mas ainda assim a lista de desejos continua enoorme. :)
    Seguindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou seguindo seu blog também Nathaly. Beijos.

      Excluir